quinta-feira, 1 de maio de 2008

"Quando Nietzsche chorou" - Irvin D. Yalom

Nietzsche levado ao divã, em pleno nascimento da Psicanálise.
Josef Breuer, personagem principal, a pedido de Lou Salomé (figura que consta na biografia de Nietzsche), tenta tratar as dores e angústias de Nietzsche com a Psicanálise, sob o argumento daquela que o amigo estaria para cometer suicídio. O tratamento se dá, porém havendo a reversão do profissional como paciente, paciente como analista.
Sigmund Freud como personagem secundário, cartas de Nietzsche endereçadas a Lou Salomé, Wagner, amigos e irmã, além de histórias paralelas de envolvimentos pessoais de analista com pacientes...
O bom do livro é ser lido imaginando-o não-ficção, sentindo a trama como real, pois assim percebe-se mais densamente o mistério a o suspense do romance, que se lê vorazmente.
Pessoalmente, achei que o final foge um pouco à trama, mas não deixa de ser bem escrito e nostálgico.


Frases e passagens:


"A escolha do sobrenatural é sempre enfraquecedora. Ela sempre torna o homem menos do que é. Amo aquilo que nos torna mais do que somos! (...) A esperança é o derradeiro mal."
"Assim como ossos, carne, intestinos e vasos sanguíneos estão encerrados em uma pele que torna a visão do homem suportável, também as agitações e paixões da alma estão envolvidas pela vaidade; ela é a pele da alma."
"(...) Jamais alguém fez algo totalmente para os outros. Todas as ações são autodirigidas, todo serviço é curto-serviço, todo amor é amor-próprio. (...) Cave mais profundamente [e verá] que aqueles que ama, não os ama de fato. Ama as sensações agradáveis que tal amor produz em você! Ama o desejo, não o desejado."
"Você pode voar, mas não se pode começar a voar voando. Primeiro tenho de lhe ensinar a andar, e o primeiro passo a aprender a andar é entender que quem não obedece a si mesmo é regido por outros. É mais fácil obedecer a outro do que dirigir a si mesmo."
"Se você matar Deus, terá também de deixar o abrigo do templo. (...) O espírito do homem se constrói a partir de suas escolhas. (...) Caso escolha ser um dos poucos que participam do prazer do crescimento e da alegria da liberdade sem Deus, terá que se preparar para a máxima dor. Eles estão interligados e não podem ser experimentados separados! Se desejar menos dor, terá que escolher, à semelhança dos estóicos, a renunciar ao máximo prazer."
"Uma árvore precisa enfrentar tormentas para alcançar uma altura digna de orgulho. A criatividade e a descoberta são gerados na dor. É preciso ter caos e frenesi dentro de si para dar à luz uma estrela dançante"


E tantas, tantas e tantas outras passagens que, se fosse colocar aqui, não teria sentido indicar o livro para leitura. Leria aqui mesmo.
Download: Quando Nietzsche chorou - Irvin D. Yalom

2 comentários:

Evanilza disse...

Muito rico este livro, heim? Com interface entre filosofia e psicanálise. Vou fazer o download! Depois volto aqui prá comentar, embora vá demorar vários meses até que termine... Um abraço, saudações para vocês, Cássia e Rilva!

Cássia disse...

Esperamos que goste, Eva.
Obrigada pela sua valiosa participação e volte sempre. Abraços.