sexta-feira, 25 de abril de 2008

"Factótum" - Charles Bukowski



"Factótum" define uma pessoa que faz com muitos tipos de trabalhos, um "faz-tudo", também pode ser sem destino. Nesse livro, escrito em primeira pessoa, Bukowski constrói seu alter-ego no personagem Henry Chinaski, perseguindo uma carreira de escritor, vivendo de trabalhos diversos, sem se fixar em lugares, bebendo e bebendo e bebendo, tendo uma vida tal qual o escritor (segundo sua biografia) viveu: embriagado e marginal.
O livro narra as andanças de Chinaski, mas que nos deixa, por vezes, carentes que o escritor penetre mais no personagem, sem superficialidades. No entanto, isso não acontece.
Quem sabe, se Bukowski não tivesse saído da Alemanha para viver na América...
Mas vale a pena ser lido.


Frases do livro:

"Passar fome, infelizmente, não melhora a arte. Apenas a obstrui. A alma do homem está profundamente enraizada em seu estômago"
"O mito do artista faminto é um embuste"
"-Alguma vez você já se apaixonou?
- Isso é para pessoas de verdade. [Chinaski]
- Você me parece de verdade.
- Não gosto de pessoas de verdade.
- Não gosta?
- Eu as odeio." [grifo nosso]
"Eu era um homem que se fortalece na solidão; ela era para mim a comida e a água dos outros homens. Cada dia sem solidão me enfraquecia. Não que me orgulhasse dela, mas dela eu dependia"
"- O que você faz?
- Nada. Bebo. Vario entre isso. [Chinaski]" [grifo nosso]

Download: http://www.4shared.com/file/31749868/ba1d29dc/Bukowski_Charles_-_Faktotum.html?s=1

Um comentário:

Ariadne disse...

Muito interessante a síntese de factótum... E dá o tom de que Bukowski fez literatura com tudo o que encontrou na história da sua própria vida, angústias, dramas, gafes. Mas vocês esqueceram de dizer que Bukowski era engraçado.
Li um livro sobre ele: "Charles Bukowski: vida e loucuras de um Velho Safado", que poderia ser chamado de "Memórias Etílicas".